26/03/20

COVID-19: Ponto de situação a 26 de março

Portugal acorda hoje com 3544 casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus, segundo o Boletim Epidemiológico da Direção-Geral da Saúde de hoje, relativo até às 24 horas de dia 25 de março, correspondendo a um aumento de 18,3% em relação ao boletim anterior.

O total de casos suspeitos encontra-se agora nos 22 257 casos, desde o dia 1 de janeiro de 2020, sendo que deste número 3544 são os casos confirmados, 1995 são as pessoas a aguardar os resultados do teste à COVID-19 e 16 718 são os casos não confirmados, ou seja, casos em que as análises deram negativo para a COVID-19.

Fonte: DGS

Em vigilância pelas Autoridades de Saúde Pública encontram-se 14 994 contactos.

Pela distribuição geográfica existem neste momento 1858 casos e 28 mortes na região Norte, 435 casos e 13 mortes na região Centro, 1082 casos e 18 mortes na região de Lisboa e Vale do Tejo, 20 casos no Alentejo, 89 casos e 1 morte no Algarve, 24 casos nos Açores, 15 casos na Madeira e 21 casos de portugueses com residência no estrangeiro.

Somam-se agora 60 óbitos, sendo que destes 33 são de pessoas com 80 anos ou mais, 15 são de pessoas entre os 70 e os 79 anos, 8 de pessoas entre os 60 e os 69 anos e 4 são de pessoas com idade compreendida entre os 50 e os 59 anos. O homens são o grupo com maior mortalidade até agora, correspondendo a 68% das mortes.

Em internamento encontram-se 191 casos, sendo que 61 estão em Unidades de Cuidados Intensivos.

Existem agora 43 pessoas totalmente recuperadas do novo coronavírus, mais 21 que o boletim de ontem.

A nível mais local, segundo as informações reportadas pela Administração Regional de Saúde do Centro à DGS, existem 87 casos de COVID-19 em Coimbra, 7 em Soure, 4 em Condeixa-a-Nova e 4 em Montemor-o-Velho.

Portugal entrou hoje na Fase de Mitigação da Pandemia, existindo assim a transmissão comunitária do vírus, alterando a abordagem que tem sido feita até ao momento. A partir de agora todas as pessoas que apresentem apenas um dos sintomas característicos da COVID-19, como tosse, febre ou falta de ar, serão consideradas como casos suspeitos.

O encaminhamento dos casos suspeitos deverá ser, preferencialmente, feita pela linha SNS24 ou pelas linhas telefónicas locais criadas para a COVID-19, sendo referenciados para avaliação médica em Áreas Dedicadas COVID-19 (ADC-Comunidade) nos Cuidados de Saúde Primários, avaliação médica em Áreas Dedicadas COVID-19 nos Serviços de Urgência do Serviço Nacional de Saúde, pelo INEM e, em caso de sintomatologia ligeira, para a o isolamento em domicilio e sob vigilância em regime de autocuidados.

Daniela Silva

1
21
14
0
GMT
GMT
+0000
2020-04-06T21:14:39+00:00
Mon, 06 Apr 2020 21:14:39 +0000