9/02/20

Satélite com software da Critical arranca em direção ao Sol

A Critical Software é responsável pelo sistema central de comando e controlo do Solar Orbiter. O satélite vai ser lançado em direção ao Sol na madrugada de segunda-feira, 10, pelas 04h03 (hora de Portugal Continental).

Solar Orbiter na plataforma de lançamento. O arranque da missão poder ser acompanhado em direto no site da ESA, a partir das 03h30 (hora de Portugal Continental).

O que impulsiona o vento solar e qual é a influência que o clima Espacial tem na Terra? Como é que o campo magnético é gerado dentro do Sol? São alguns dos mistérios que os cientistas esperam descodificar com o Solar Orbiter, projeto que teve início em 2013. A missão da Agência Espacial Europeia (ESA) conta com forte participação da NASA e tem por objetivo analisar o campo magnético gerado pelo Sol. O lançamento que acontece no Cabo Canaveral, no estado da Flórida dos Estados Unidos da América

O engenheiro responsável pelo Departamento de Espaço da Critical Software e principal participante no desenvolvimento do projeto Solar Orbiter, Mauro Gameiro, evidenciou o facto de esta ser a primeira vez que uma missão é focada na observação dos polos solares.

O software desenvolvido pela Critical tem a função de garantir que tanto a plataforma do satélite como todos os equipamentos científicos nele integrados e as comunicações com a Terra se comportam de forma esperada. O diretor de vendas do Departamento de Espaço e Aeronáutica, Ricardo Armas, equiparou o sistema desenvolvido ao cérebro do ser humano.

À esquerda: Mauro Gameiro. À direita: Ricardo Armas.

Um dos riscos associados à missão do Solar Orbiter, é o ambiente hostil e a temperatura crescente com a aproximação ao Sol. Ricardo Armas reconhece os riscos associados a esta missão e enaltece o papel fulcral do sistema central de controlo.

O satélite vai estar no máximo dois meses e meio sem comunicar com a Terra, período em que se prevê que esteja por detrás do Sol. Mauro Gameiro, considera que esta é uma altura crítica para a missão, pois não havendo informação a ser transmitida aos cientistas, o satélite estará à mercê do sistema central desenvolvido pela Critical.

Fase final de integração do Solar Orbiter e preparação para campanha de testes eléctricos. Instalações da Airbus Defense and Space em Stevenage, Reino Unido.

Para garantir que nada falha no Espaço, o software passou por várias fases de validação, primeiramente feita pela Airbus Defense and Space no Reino Unido, como explicam Mauro e Ricardo.

Na opinião da Critical, os requisitos de falha e recuperação do satélite foram a parte mais complexa no desenvolvimento do sistema central do satélite.

Ricardo Armas explica ainda que o setor do Espaço se tem revelado de extrema importância para a Critical. A exigência requerida pelos projetos Espaciais tem tido um grande impacto no reconhecimento da empresa e também na qualificação dos seus colaboradores.

Outros projectos Espaciais

A empresa sediada em Coimbra é responsável pelo sistema central de comando e controlo do Solar Orbiter mas o arranque do setor espacial na Critical aconteceu em 1998 e teve a NASA como primeira cliente. A empresa começou a colaborar com a ESA a partir de 2002 e conta com mais de 20 missões espaciais no portfólio.

A Critical Software está prestes a arrancar com outra missão da ESA – o PLATO – sendo que o trabalho a desenvolver será também o sistema central de comando e controlo do satélite. Os lançadores Ariane 6 e a missão Sentinel 6 são outros projetos destacados por Ricardo Armas e Mauro Gameiro.

No mês em que se comemora o primeiro aniversário da Agência Espacial Portuguesa, Ricardo Armas não quis deixar de notar o esforço que a agência tem feito não só para conhecer a estratégia das empresas portuguesas a trabalhar no Espaço como também para ajudar as empresas no seu crescimento. O objetivo da agência é tornar Portugal num país de inovação tecnológica e com capacidade industrial competitiva no respetivo setor.

Solar Orbiter tem uma massa de 1800 kg, uma largura máxima de 18 m (com os painéis em modo aberto), inclui 10 instrumentos científicos e vai percorrer 42 milhões de km até ao seu destino – o Sol.

O lançamento do satélite poder ser acompanhado em direto no site da ESA, a partir das 03h30 (hora de Portugal Continental). Todas as informações e possíveis atualizações podem ser consultadas nos sites oficiais da ESA e da NASA.

Liliana Baptista

5
18
18
0
GMT
GMT
+0000
2020-04-03T18:18:23+00:00
Fri, 03 Apr 2020 18:18:23 +0000