22/01/20

Ana Abrunhosa: “Coimbra tem que ser um pólo na área do envelhecimento ativo”

Ocorreu na terça-feira, 21, a apresentação do MIA-Portugal (Instituto Multidisciplinar do Envelhecimento), no Colégio da Trindade em Coimbra. O projeto, aprovado pela União Europeia em Abril de 2019, tem como objetivo construir o primeiro centro de referência no sul da Europa focado no estudo das bases biológicas, moleculares e celulares do envelhecimento para promover o envelhecimento saudável e ativo.

A ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, afirmou à comunicação social que o MIA-Portugal é um projeto que vai colocar a região no mapa mundial da investigação do envelhecimento saudável. A governante explicou que foi um processo muito natural.

Ana Abrunhosa destacou ainda a importância do Instituto Pedro Nunes e do Hospital Universitário de Coimbra para a concretização do MIA-Portugal em Coimbra.

Ao ser questionada sobre as possíveis políticas públicas que poderiam surgir em decorrência deste projeto, Ana Abrunhosa disse que o MIA-Portugal já é na verdade o resultado de políticas públicas recomendadas pela União Europeia. A Ministra alertou ainda que os fundos europeus que apoiam a iniciativa se destinam à contratação de pessoas qualificadas.



Em declaração aos jornalistas, o coordenador do MIA-Portugal, Rodrigo Cunha, disse que o compromisso do Instituto deve ser o de comunicar à sociedade o novo conhecimento adquirido e o impacto dessas descobertas. Clareza, simplicidade e seriedade, é o que defende Rodrigo Cunha, para um processo que vai ser demorado. Os primeiros resultados devem começar a surgir após 3 ou 5 anos de esforços.

Viver mais mas, sobretudo, viver melhor, parecem ser as palavras para descrever as intenções apresentadas para o Mia-Portugal. Aumentar a qualidade de vida do idoso e encontrar formas de atrasar o processo de envelhecimento e as várias doenças crónicas associadas.

O próximo passo a ser dado é a seleção e contratação da equipa de investigadores que, segundo o coordenador, acontecerá em breve, para que se possa dar início aos trabalhos entre julho e setembro deste ano.


Amílcar Falcão: “UC terá investimento a rondar os 20 milhões de euros”

O Reitor da Universidade de Coimbra Amílcar Falcão disse ainda que um projeto deste tamanho na UC, vai possibilitar a atração de investigadores de “alto gabarito” e reforçar a área da saúde que “é estratégica para Coimbra e para a Universidade”. Amílcar Falcão informou que os investimentos totais para o projeto MIA-Portugal, onde se inclui o projeto de infraestrutura UC Biomed, rondam os 50 milhões de euros, dos quais 20 são investimento da UC.

A sessão de apresentação do MIA-Portugal contou ainda com intervenções do presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, António Veiga Simão, e de João Albuquerque da Direção Geral de Investigação e Inovação da Comissão Europeia.

Gabriella Montilha

6
18
18
0
GMT
GMT
+0000
2020-02-22T18:18:13+00:00
Sat, 22 Feb 2020 18:18:13 +0000