15/01/20

Rui Campos: A política da Câmara [de Coimbra] tem sido uma de chantagem

O Alvorada de hoje (15) contou com o comentário à atualidade por parte de Rui Campos, deputado da Assembleia Municipal de Coimbra pelo MTP-Partido da Terra. 

Nesta quarta-feira, a Câmara Municipal de Coimbra (CMC) reuniu-se novamente para continuar a reunião iniciada na segunda-feira (13). Entre os tópicos previstos, estavam o Orçamento e as Grandes Opções do Plano de 2020 para a cidade, chumbados em Assembleia Municipal (AM) no dia 27 de dezembro. Para Rui Campos, que votou contra a proposta, falta estratégia na previsão orçamentária. 

O deputado pelo MTP critica, ainda, o que chama de uma política de chantagem do executivo municipal. Na próxima segunda-feira (20), o Orçamento será apresentado mais uma vez à AM, e, até o momento do comentário, não havia sido partilhado qualquer tipo de documento que aponte em que direção a CMC deve seguir. A indicação, segundo Campos, é de que a mesma proposta seja entregue novamente. Neste caso, o MPT posiciona-se da mesma forma que em dezembro, contrário.

No âmbito da saúde, Fernando Regateiro, presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) afirmou, em entrevista ao Diário de Coimbra (15 de janeiro), que o Hospital Geral (Covões) irá receber investimentos no sentido de desenvolver uma Unidade de Envelhecimento Ativo e Saudável. Campos saúda a medida, considerando a alta taxa de envelhecimento da população da região, mas aponta também pontos que precisam ser endereçados com urgência. 

O Estado português foi condenado pelo Tribunal Europeu dos Direitos Humanos a pagar 13 mil euros em indemnização à família de um dos jovens estudantes da Universidade Lusófona que morreram no Meco em 2013, em uma atividade da praxe. Para o Tribunal, houve falhas na investigação, apesar de a decisão não considerar que há um “vazio legal” em relação à praxe em Portugal. O Estado manifestou-se, no sentido de que admite recorrer da condenação. Para o comentador, é insensível falar em justiça quando a decisão dá-se seis anos depois do ocorrido. Rui Campos considera também que é necessário que se pense em mecanismos legais e de denúncia de combate práticas da praxe que humilhem os caloiros.

Ainda houve tempo no Alvorada de hoje para comentários sobre a aposta de Portugal no hidrogénio verde, a possível taxação de navios e aviões, com objetivo de controlar e eliminar a poluição gerada por estes, entre outros temas. A rubrica Abrimos o Baú, produzida por Rui Rodrigues, recuperou os acontecimentos da semana em outros momentos históricos. 

O comentário completo está disponível abaixo:

Bibiana Garcez

1
0
54
0
GMT
GMT
+0000
2020-04-06T00:54:47+00:00
Mon, 06 Apr 2020 00:54:47 +0000