7/12/19

Convento de São Francisco recebeu o juramento de Hipócrates de 190 novos médicos

O último juramento de Hipócrates em 2019 decorreu no Convento de São Francisco em Coimbra no sábado (7). A cerimónia marca simbolicamente a entrada na carreira dos médicos recém- formados e é realizado em todas as cidades portuguesas onde se formam os estudantes de medicina. Na cidade dos estudantes, foram 190 os médicos que receberam as cédulas da Ordem profissional.

O evento contou com a presença e os discursos do presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM), Carlos Cortes, do bastonário da Ordem dos Médicos (OM), Miguel Guimarães, e o secretário de estado da saúde, António Sales. A oração de sapiência foi da responsabilidade do antigo ministro da saúde e médico especialista em saúde pública, Adalberto Campos Fernandes.

Painel composto da esquerda para a direita por: Alexandre Valentim Lourenço, presidente da Secção Regional do Sul da Ordem dos Médicos; Lurdes Gandra, secretária da Comissão Nacional da OM; António Sales, secretário de estado da saúde; Carlos Cortes, presidente da SRCOM; Henrique Cabral, da Comissão Nacional do Médico Interno; Adalberto Campos Fernandes, anterior ministro da saúde

O primeiro a discursar foi o presidente da SRCOM que salientou o papel da família e dos amigos dos recém formados médicos na trajeto durante o curso. Por outro lado, Carlos Cortes defendeu a importância que os médicos dão aos SNS no qual querem continuar a trabalhar.

Fonte: Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos

Em Portugal, as universidades privadas ainda não estão autorizadas a ter cursos de medicina. O Bastonário da Ordem dos Médicos destacou a qualidade dos profissionais de medicina formados nas universidades públicas e acusa os promotores do curso no ensino superior privado de desvalorizarem os estudantes de medicina em Portugal em detrimento dos que não conseguem aceder à formação médica.

Fonte: Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos

 Pela primeira vez no juramento de Hipócrates em Coimbra, um representante do governo veio à iniciativa organizada pela OM e pela SRCOM. António Sales, secretário de estado da saúde e médico ortopedista de formação, revelou que o executivo criou um grupo de trabalho que junta vários organismos como a OM para a elaboração do conjunto de competências que avalia a idoneidade dos serviços para a formação dos médicos nas várias especialidades. Este ano 1100 candidatos não obtiveram colocação, entre 562 desistências e 538 médicos sem hipótese de escolha.

Fonte: Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos

Os discursos que antecederam a entrega das cédulas da OM terminaram com a oração de sapiência dirigida por Adalberto Campos Fernandes. O antigo governante alerta os novos médicos para o aumento das exigências do público sobre o grupo profissional e que a aprendizagem  continua mesmo depois da formação na universidade.

Fonte: Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos

A cerimónia contou ainda com as atuações musicais do Coro da Ordem dos Médicos e grupo “Na Cor do Avesso”.

A esmagadora dos novos médicos começam em janeiro o internato de ano comum que serve para ganhar a autonomia médica, que vai permitir depois do ano de estágio prescrever receitas médicas ou assinar altas médicas.

Pedro Silva

7
6
04
0
GMT
GMT
+0000
2020-01-19T06:04:31+00:00
Sun, 19 Jan 2020 06:04:31 +0000