20/11/19

Antes de votarem se querem a SAD sócios da Académica têm de aprovar alteração de estatutos

O presidente da direção da Associação Académica de Coimbra /Organismo Autónomo de Futebol, Pedro Roxo prestou declarações em público sobre o processo de transformação do clube numa Sociedade Anónima Desportiva (SAD).

A direção do clube marcou uma conferência de imprensa com o objetivo de esclarecer alguns aspetos sobre a proposta de alteração do modelo societário da Académica/OAF.

Pedro Roxo começou por frisar que a Assembleia Geral que vai decorrer quinta-feira a partir das 20h30 no Auditório do Estádio Cidade de Coimbra tem como objetivo a votação da alteração dos estatutos. Só assim é possível realizar o referendo do próximo dia 29 de novembro, que vai colocar a questão aos Sócios: SAD ou SDUQ.

Um grupo de oito conselheiros eleitos pela Lista A, alguns ou todos presentes na dita reunião, divulgaram em duas publicações no site briosa.net os pontos mais importantes apresentados no CA . Segundo este grupo de membros do CA, o projeto apresentado pela direção da AAC-OAF consiste  na constituição de uma Sociedade Anónima Desportiva (SAD)  na qual a AAC-OAF teria  uma posição acionista de 28% e o Banco de Minas Gerais (BMG)  deteria 72 % do Capital Social mediante a entrada de 3,4 milhões de Euros e a assunção da dívida da SDUQ (após perdão da dívida do OAF à SDUQ). Pedro Roxo explicou a necessidade de

Ao lado de Pedro Roxo, o vice-presidente do clube, Afonso Pedrosa apresentou as bases gerais e o modelo da proposta para a SAD. De acordo com o vice-presidente da AAC/OAF a apresentação feita no dia de hoje é exatamente igual à que foi feita no Conselho Académico de 11 de novembro. Afonso Pedrosa adiantou ainda que após a AG de amanhã a direção vai levar a cabo algumas sessões de esclarecimento sobre a proposta.

Afonso Pedrosa explicou também a estrutura do futuro modelo societário. Conselho de Administração vai ser composto por três a cinco membros, onde um a dois vão ser escolhidos pela AAC/OAF. O presidente da SAD vai ser eleito pelo conselho de administração. Afonso Pedroso explicou contudo que pode existir exceções à regra.

De acordo com Afonso Pedrosa, o novo investidor vai entrar inicialmente 3.4 milhões de euros numa primeira fase. O investidor tem ainda a obrigatoriedade de liquidação do passivo da SDUQ num valor aproximado de de 7 milhões de euros. Foi anunciado ainda que nos próximos 10 anos o investidor vai ter de realizar um investimento de 20 milhões de euros, com uma média de investimento no futebol profissional de 2 milhões por ano. Afonso Pedroso frisou que o investimento vai ser feito de forma preferencial em dinheiro, mas admitiu a possibilidade de o investimento ser feito pontualmente em espécie.

Afonso Pedrosa considera que o investimento em causa é uma oportunidade que acontece uma vez na história da Académica.

O vice-presidente do clube academista explicou ainda algumas das condições previamente estabelecidas com o investidor. Afonso Pedrosa explicou que o símbolo, as cores e equipamentos vão estão salvaguardados. O dirigente desportivo destacou ainda que as tradições do clube como o canelão vão ser salvaguardadas.

De acordo com Pedro Roxo o objetivo do novo investidor, passa por colocar a Académica a luta pelos lugares europeus. O presidente do clube acredita que dentro de três a quatro anos é possível alcançar a qualificação europeia.

Amanhã, dia 21 de Novembro, vai ter lugar uma Assembleia Geral de Associados, destinada a permitir, através de uma alteração estatutária, a votação, em Assembleia Geral Deliberativa através de referendo, daquela que foi a vontade dos sócios no acto eleitoral de 1 de Junho de 2019 e à aprovação do Relatório e Contas da época transata.

Tomás Cunha

7
16
00
0
GMT
GMT
+0000
2019-12-15T16:00:10+00:00
Sun, 15 Dec 2019 16:00:10 +0000