17/11/19

Proposta SAD da AAC-OAF: BMG 72% / OAF 28%

Decorreu dia 11 de Novembro um Conselho Académico (CA) no qual a direção da Associação Académica de Coimbra – Organismo Autónomo de futebol (AAC-OAF) apresentou o seu projeto de modelo societário.

Um grupo de oito conselheiros eleitos pela Lista A, alguns ou todos presentes na dita reunião, divulgaram em duas publicações no site briosa.net os pontos mais importantes apresentados no CA . Segundo este grupo de membros do CA, o projeto apresentado pela direção da AAC-OAF consiste  na constituição de uma Sociedade Anónima Desportiva (SAD)  na qual a AAC-OAF teria  uma posição acionista de 28% e o Banco de Minas Gerais (BMG)  deteria 72 % do Capital Social mediante a entrada de 3,4 milhões de Euros e a assunção da dívida da SDUQ (após perdão da dívida do OAF à SDUQ). Nos dez anos subsequentes há a promessa de investir 2 milhões de Euros em cada ano sendo que esse investimento deverá ser feito através de passes de jogadores. Desportivamente o objetivo seria a permanência em pelo menos cinco anos na primeira divisão nos próximos dez.

Ainda segundo este grupo de conselheiros, tendo em conta a posição da Direção Geral da AAC em não permitir a utilização do nome e símbolo da Académica caso o OAF viesse a deter menos de 51% de uma futura SAD, se a proposta da Direção vier a ser aprovada este poderia ser  ”o fim da Académica tal como a conhecemos e o princípio de um outro clube”.

Como é de conhecimento público, realizar-se-á na próxima quinta-feira, 21 de novembro, uma Assembleia-Geral da AAC-OAF na qual será apresentada à votação uma alteração estatutária para permitir a constituição de uma SAD. Este grupo de conselheiros afirma que os  estatutos impedem que a Académica perca o controlo da sociedade desportiva e venda a maioria do capital social, isto segundo o artigo 70, ponto 2, parágrafo segundo:

“(…) devendo os estatutos ou pactos sociais das sociedades desportivas assegurar que a AAC-OAF terá maioria dos votos na respetiva Assembleia Geral”.

Os membros do Conselho Académico eleitos pela lista A que assinam a carta aberta são:

Carlos José Costa, Flávio Imperial, Jorge Martins, Luís Carvalho, Luís Filipe Silva, Miguel Gouvêa, Pedro Sá Frias e Rui Sá Frias, Um segundo texto em que nos baseámos é só assinado por Rui Sá Frias

Rui Rodrigues

7
15
06
0
GMT
GMT
+0000
2019-12-15T15:06:59+00:00
Sun, 15 Dec 2019 15:06:59 +0000