6/11/19

Filomena Girão: “Nós temos necessidade de mudança”

O Alvorada de hoje (6) contou com a o comentário à atualidade por parte da deputada da Assembleia Municipal de Coimbra (AMC) Filomena Girão, do Somos Coimbra.

Filomena Girão, deputada da Assembleia Municipal de Coimbra pelo Somos Coimbra

O valor da propina para estudantes estrangeiros da Universidade de Coimbra, mais alta do que para os colegas portugueses, foi endereçado ontem pelo reitor Amílcar Falcão em fala na sessão solene comemorativa dos 39 anos da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação (FPCEUC). Falcão demonstrou “abertura para melhorar as coisas”, mas destacou que há, na realidade atual, um impacto financeiro positivo para a Universidade. Para além disto, questionou a qualidade do ensino que está a ser entregue para os alunos. Filomena Girão concorda com a posição do reitor sobre o padrão da educação oferecida, mas também aponta que, a partir do entendimento de que é positivo atrair universitários estrangeiros, é necessário criar condições para que eles possam fixar-se no local.

Aprovados na última semana em reunião extraordinária do executivo da Câmara Municipal de Coimbra, o orçamento e as Grandes Opções do Plano (GOP) da cidade para 2020 têm previsão de 151 milhões de euros. De acordo com a proposta, pouco mais da metade, 54 por cento da receita, vai ser aplicada em funções sociais, como educação, saúde, ação social, habitação social, cultura e desporto. Os documentos ainda vão passar por discussão na Assembleia Municipal. A deputada critica a falta de transparência por parte da CMC, que não permite o aprofundamento do debate sobre as propostas, e considera que o plano não possibilita a promoção mudanças significativas necessárias para a cidade.  

Os Serviços Municipalizados de Transportes Urbanos de Coimbra (SMTUC) recebem a maior dotação das GOP, na ordem dos 12 milhões de euros. Parte deste investimento é destinado à renovação da frota com autocarros elétricos, o que tem avaliação positiva da deputada. No entanto, Filomena Girão entende que os problemas de mobilidade em Coimbra não estão restritos apenas à SMTUC.

Em âmbito nacional, o Governo inicia hoje, na Concertação Social, a discussão sobre o aumento dos salários mínimos para o próximo ano. A meta apresentada pelo executivo é de atingir os 750 euros mensais em 2023. A deputada destacou que, apesar das críticas que tem ao Governo, acredita que a medida para o aumento do salário mínimo é necessária, afim de possibilitar uma vida digna aos portugueses. Filomena Girão ainda ressalta diferentes formas de rendimento no trabalho, para além do salário, como a satisfação dos funcionários. 

Mais de 11 mil cientistas subscreveram a um artigo, apresentado como um manifesto, a dar ênfase no atual momento de “emergência climática”. Os investigadores alertam para um possível “sofrimento humano sem precedentes”, caso não sejam feitas mudanças radicais para reverter o quadro das alterações do clima e do ambiente. A deputada do Somos Coimbra considera que é necessário modificar as ações individuais, principalmente por parte dos jovens.

Houve tempo ainda para comentar a situação da Baixa de Coimbra e projetos relacionados que estão em andamento, a candidatura da cidade à Capital Europeia da Cultura em 2027, entre outros temas. Voltamos ao passado com a rubrica Abrimos o Baú, produzida por Rui Rodrigues. A íntegra do comentário à atualidade está disponível abaixo:

Bibiana Garcez e Tom Barth

6
1
57
0
GMT
GMT
+0000
2019-11-16T01:57:40+00:00
Sat, 16 Nov 2019 01:57:40 +0000