2/10/19

Legislativas’19: PAN não apoia governos que prevejam “impactos ambientais enormes”

As possibilidades de acordo com um governo dos socialistas foram postas em causa pelo cabeça de lista do PAN por Lisboa, André Silva, devido ao projeto do aeroporto do Montijo. O deputado e candidato do Pessoas Animais Natureza (PAN) entende que o projeto tal como está, “não pode ir para a frente” uma vez que existe um incumprimento processual por falta de uma avaliação ambiental estratégica que, afirma, é obrigatória por lei, além da avaliação de impacto ambiental que o partido considera insuficiente neste caso.

As declarações à comunicação social foram feitas durante a ação de campanha do PAN na cidade de Coimbra (dia 30), e que tomou percurso a pé desde a Escadaria Monumental até ao Mercado D. Pedro V. André Silva acrescentou não ser aceitável que o instrumento da avaliação ambiental estratégica não seja usado” uma vez que é preciso conhecer com rigor os reais impactos da opção Montijo para a localização do aeroporto na Área Metropolitana de Lisboa. Rematou dizendo que “não faz sentido o PAN apoiar uma solução de governo que contenha em si a possibilidade de construir um projeto com impactos ambientais enormes.

André Silva pede mais detalhes e maior rigor cientifico. Além das questões ambientais, o deputado do Pessoas Animais Natureza colocou a hipótese de a própria pista do aeroporto não ser segura “devido ao mais que previsível aumento do nível médio das águas do mar”. Algo que “pode inviabilizar a obra”.

Foi uma chuvosa manhã, com pouca reação à passagem da comitiva. O próprio mercado vivia uma aparente tranquilidade.

No rescaldo da ação de campanha, André Silva partilhou uma reflexão sobre a resistência que muitos transeuntes parecem ter quando abordados pelos candidatos do Pessoas-Animais-Natureza. O consumo animal é sempre prato do dia.

André Silva compara a posição do PAN à de “qualquer pessoa ou qualquer movimento que ao longo da historia traz novas ideias, novos temas a debate”. Não esconde que são temas “muitas vezes difíceis”, o que faz com que o partido apanhe “com as primeiras setas, com as primeiras resistências”. A determinação é grande e o PAN, declarou, é pela “redução do consumo de proteína animal”. Ao fazer “esta pedagogia” com a população, o PAN é “porta-voz da comunidade cientifica quer em matéria de combate às alterações climáticas quer em termos de saúde publica”, disse.

A comitiva do PAN foi almoçar junto dos estudantes na cantina sala A, “um prato evidentemente vegetariano”. Segundo o deputado, o local não foi escolhido por simbolismo. André Silva falou antes das saudades do espaço e da cidade onde estudou. Apesar da falta de simbolismo, a oportunidade de falar da carne de vaca não foi desaproveitada.

Uma boa decisão do reitor, considerou André Silva, que depois trocou “o reitor” pela “academia” para dizer a de Coimbra é um exemplo no cumprimento das boas-práticas indicadas pela comunidade científica.

Na região o PAN concorre com a cabeça de lista Sandra do Carmo. Em breve trazemos entrevista exclusiva à candidata do circulo eleitoral de Coimbra.

André Jerónimo, com agência LUSA

1
9
40
0
GMT
GMT
+0000
2019-12-09T09:40:12+00:00
Mon, 09 Dec 2019 09:40:12 +0000