2/10/19

LEGISLATIVAS ’19: Cabral de Oliveira (PPM) “Estado esqueceu-se completamente de Coimbra”

foto: Clube da Comunicação Social de Coimbra

O Alvorada de hoje (2) teve como comentador à atualidade noticiosa o cabeça de lista pelo círculo eleitoral de Coimbra do Partido Popular Monárquico (PPM) às próximas eleições legislativas, o jornalista António Cabral de Oliveira.

O jornalista Camilo Soldado traçou no Público uma radiografia ao alojamento universitário em Coimbra. O alojamento é o principal custo que os estudantes têm que suportar na frequência do ensino superior, e esse custo tem subido. Cabral de Oliveira considera que a qualidade do alojamento para os estudantes tem melhorado em Coimbra. Para o candidato, esta é mais uma área em que o governo esqueceu Coimbra.

A Câmara Municipal de Coimbra (CMC) foi notificada pela Comissão Nacional de Eleições (CNE) para repor um cartaz do partido Iniciativa Liberal (IL), que os serviços camarários removeram da Praça da República. Cabral de Oliveira diz que o Partido Socialista (PS) tem legitimidade democrática para governar o município, mas que o executivo camarário tem uma conduta pouco democrática no seu dia a dia. O jornalista dá a sua interpretação da atitude da CMC.

Depois de, em janeiro, tomar posse administrativa da obra de requalificação dos edifícios de restauração do Parque Verde do Mondego (“docas”), o presidente da CMC, Manuel Machado, assinou, ontem, o auto de consignação com vista à conclusão da obra. Cabral de oliveira, que se identificou como “municipalista acérrimo”, manifestou a sua tristeza com o estado de degradação a que chegou o Parque Verde. O comentador também lamentou o “azar” de Mário Machado em não ter conseguido resolver a questão em quatro anos.

Na segunda parte do programa, António Cabral de Oliveira apresentou o Partido Popular Monárquico (PPM) e falou de algumas das ideias do partido.

O cabeça de lista pelo círculo eleitoral de Coimbra começou por abordar um aspeto que distingue o seu partido (monárquico) de todos os outros: a representatividade do chefe de Estado que defende.

Cabral de Oliveira caracterizou o PPM como democrático (fundador da democracia portuguesa), regionalista, municipalista e ruralista.

O candidato identificou como objetivo do PPM o combate à “bicefalização” do país entre Lisboa e Porto, que tem conduzido à perda de relevância da região beirã, potenciada pelo desinvestimento verificado na ferrovia, nas estradas e na ausência de grandes obras. Cabral de Oliveira dá o exemplo do encerramento da Estação Nova.

“O candidato partilhou ainda algumas ideias do PPM para Coimbra (maternidade junto aos HUC e uma complementaridade de serviços entre HUC e Covões) e para o Ensino Superior (trocar a redução das propinas para todos por mais apoios para quem precisa). Durante o Alvorada, ouviu-se ainda a rubrica “Abrimos o baú”, um trabalho de Rui Rodrigues.

António Calheiros

5
6
31
0
GMT
GMT
+0000
2019-12-06T06:31:17+00:00
Fri, 06 Dec 2019 06:31:17 +0000