26/09/19

Projeto do IPN confirma que Terras de Sicó são uma “região boa para envelhecer”

Fotografia do HeaLIQs4Cities

Promover hábitos de vida saudáveis em zonas isoladas e envelhecidas do interior do país, era intenção inicial. A carrinha “Vida+ Móvel” andou pelas Terras de Sicó, de 4 a 22 de setembro. Encontrar alguém que aos 94 anos anda de bicicleta e não necessita de tomar medicamentos foi “inspirador”, revela Eugénia Peixoto, engenheira biomédica, no Instituto Pedro Nunes (IPN).

O projeto tinha como objetivo chegar a 300 pessoas. Ao fim de dois dias já tinham ultrapassado a meta. “Em algumas aldeias veio toda a população”, revela Eugénia Peixoto. Os resultados surpreenderam a colaboradora do projeto europeu.

A população era convidada através de um conjunto de ferramentas de avaliação (toolkit) a responder a questões que permitiam determinar alguns aspetos da sua saúde, mas acima de tudo de bem-estar. A grande “surpresa” foi que pela análise do “estilo de vida” das pessoas das Terra de Sicó, no distrito de Coimbra e Leiria, se percebeu ser esta “uma região boa para envelhecer”, confirma o investigador e docente na Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra (FCDEFUC), Luís Rama.

Fotografia do HeaLIQs4Cities

Rafael Rodrigues, doutorando da FCDEFUC, pertence ao grupo de voluntários daquela faculdade da UC que participou na carrinha Vida+ Móvel. Antes já tinha realizado uma experiência similar com população urbana, num centro comercial da cidade de Coimbra. Um “grau de ansiedade” semelhante, foi encontrado nos dois tipos de população, um dos aspetos menos positivo que foi encontrado.

Enquanto a população rural está preocupada com a falta de instituições e de profissionais de saúde nos territórios, aos urbanos preocupa o ‘stress’ do dia-a-dia de trabalho e vida citadina. Os rurais das Terras de Sicó partilham hábitos religiosos semanais de ida à missa e juntam-se no café das aldeias e praticam “hábitos saudáveis” de alimentação ao comerem do que cultivam


Fotografia do HeaLIQs4Cities

Promover hábitos de vida saudáveis surtiu alguns efeitos em população menos ativa. Eugénia Peixoto conta a história de um casal de cerca de 70 anos de idade, que levou em conta as recomendações dos voluntários.

Na preparação do estudo colaborou Paula Santana, docente na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC), especialista em Geografia da Saúde. A docente fez o mapeamento das aldeias com a sua equipa. Identificados os elementos chave das aldeias, estes ajudaram na divulgação. A equipa de voluntários foi “bem recebida”, afirma Luís Rama.

Os resultados são ainda provisórios e carecem de tempo para análise e estudo profundo. ”A carrinha Vida+ Móvel” segue amanhã para Sevilha e depois vai chegar à Holanda.

A Comissão Europeia e o Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia (EIT) apoiam o projeto HeaLIQs4Cities (Healthy Lifestyle Innovation Quarters for Cities and Citizens). Coordenado pelo Instituto Pedro Nunes (IPN), em parceria com a Universidade de Coimbra (UC) e o Centro Médico e Universitário de Groningen (Holanda). A UE pretende promover estilos de vida saudáveis, envolvendo cidadãos, universidades, empresas e governos locais da Dinamarca, Espanha, Holanda e Portugal.

Luís Rama, Eugénia Peixoto e Rafael Rodrigues

Isabel Simões

5
6
09
0
GMT
GMT
+0000
2019-12-06T06:09:24+00:00
Fri, 06 Dec 2019 06:09:24 +0000