21/09/19

TAGV quer ser Cinemateca da Região. Programação espelha vontade de “novos públicos”

Uma programação “diferenciada e de qualidade” que contribua para uma cidade de Coimbra “cosmopolita e contemporânea”, é um dos objetivos apresentados para a programação do Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV), até final de do ano.
O diretor do TAGV Fernando Matos Oliveira, recebeu a comunicação social, na última segunda-feira, dia 16, para apresentar a programação até dezembro. .


Hoje sábado (21), o TAGV recebe às 21 horas a Orquestra Académica da Universidade de Coimbra (OAUC) para a Abertura Sinfónica do Ano Letivo da Universidade. “Neste concerto, a orquestra apresenta obras de Joly Braga Santos, Jean Sibelius, e do famoso compositor austríaco Franz Schubert”.

“Cinema excecional e irrepetível”

Na próxima segunda-feira, em três sessões de cinema à segunda “A Idade do Ouro”, “Um Cão Andaluz” e “Las Hurdes Terra Sem Pão” dão início ao ciclo “25xBunuel”, a partir das 15 horas.

Estreia assim a projeção de três filmes por sessão no cinema à segunda-feira. A programação de cinema no TAGV resulta de uma colaboração com a Leopardo Filmes, e assume-se como “alternativa ao cinema comercial”. A diretora adjunta do TAGV, Luísa Lopes evidenciou que vão ser tidos em conta conta as novidades dos festivais nacionais e internacionais, grandes realizadores ou efemérides.

Luísa Lopes, adianta que em colaboração com os Estudos Artísticos da UC a projeção de cinema na Sala do Carvão seguida de debate continua mensal, na última quarta-feira de cada mês. A codiretora não esquece o cinema em família no primeiro sábado de cada mês.


Em outubro de 15 a 20 tem lugar a 20ª Festa do Cinema Francês e em Novembro a 25ª edição dos Caminhos do Cinema Português, ás sextas e sábados de 22 e 30 de novembro.

O número de projeções cinematográficas entre 100 a 120, a que são acrescidas as dos festivais e mostras, coloca em destaque o TAGV, “no panorama nacional”, segundo Fernando Matos Oliveira.

Este ano o TAGV foi “desafiado” pela Anozero’ 19 – Bienal de Arte Contemporânea de Coimbra. Em parceria com o Colégio das Artes, serão concentrados em dois dias, 6 e 7 de dezembro, oito filmes, todos eles associados ao tema da Bienal “A Terceira Margem do Rio”, baseado num livro do mesmo nome de João Guimarães Rosa.

Uma retrospetiva de António Reis e Margarida Cordeiro, vai marcar o primeiro dia. Cópias digitais preparadas pela Cinemateca Portuguesa mostram “Trás-os-Montes”, “Jaime”, “Ana” e “Rosa de Areia”. Luísa Lopes lembra características do cinema dos dois realizadores.


O segundo dia de parceria com a Anozero’ 19, um sábado dia 7 de dezembro, durante a manhã “O Marinheiro de água doce” de Buster Keaton, de tarde “Strombolli” de Rosselini, também o filme “A nossa música” de Jean-Luc Godard. A encerrar a colaboração com a Anozero’ 19, um filme concerto, “A Casa na Praça Trubnaia” do russo Boris Barnet, musicada por elementos dos Mão Morta.


“Vontade de abrir o Teatro e de o relacionar com públicos muito diversos”

O Bairro da Tabela Periódica com Coordenação da Marionet companhia de Coimbra, cruza público geral com públicos escolares e é um trabalho de colaboração com a Comissão Nacional para as comemorações dos seus 150 anos. Acontece já a partir de dia 26 de setembro, e tem sessões já esgotadas. Vêm escolas de todo o país, só de Viseu visitam a cidade 150 alunos. Um dos elementos fundamentais do projeto educativo do TAGV, assinala o diretor.

O centenário do nascimento de Sophia de Mello Breyner Andresen vai ser assinalado com teatro concerto. O trabalho de Ricardo Neves-Neves, sob o conto da poetisa ,“A menina do Mar”, estreou em 3 de maio, no Teatro Camões em Lisboa. Em Coimbra vai ter duas sessões, a 24 de outubro, às 14h30 e às 18h 30.


A estreia nacional de “Playoff”, no âmbito da Mostra Espanha 2019, acontece a 11 de outubro, às 21h30. A peça trabalha “a ideia do feminino no desporto”. Interpretada pela LaJoven Compañía que em 2014 foi agraciada com o prémio para jovens talentos “El Ojo Crítico de RNE”. É um dos exemplos de atração de novos públicos para Fernando Matos Oliveira.

O diretor do TAGV realça também duas estreias. Uma que resulta da colaboração da Rede 5 Sentidos, “Vão”, da Erva Daninha, a 4 de outubro. A outra, a “estreia absoluta” de “Hantologia” de Mickael de Oliveira e Nuno Cardoso, a 4 de dezembro – “que se pretende um exercício espectral sobre a persistência de visões radicais e projeções utópicas que acabaram por falhar e que, como fantasmas, assombram – ainda que a partir da ausência – a nossa contemporaneidade. ” – lê-se na sinopse.


Um trimestre de parcerias com concertos de “qualidade”

O Festival Internacional de Blues de Coimbra, que assinala o Dia Internacional da Música em 1 de outubro, com o duo Dog´s Bollocs. Ou os Encontros Internacionais de Jazz de Coimbra que promovem em 25 de outubro um concerto no TAGV com os Fred Frith Trio, “numa tour que celebra o septuagésimo aniversário de Fred Frith”, são dois exemplos de colaboração com estruturas da cidade.

O concerto de apresentação do novo trabalho de João Só (31 de outubro), o Festival Lux Interior (1 e 2 de novembro), The Divine Comedy (8 novembro) e Nouvelle Vague (5 de dezembro) são só por si a demonstração “da qualidade dos concertos” do trimestre, declarou o diretor do TAGV

A colaboração do TAGV com outros parceiros vai passar ainda em 5 de outubro pela Festa da Praça da República. O Clube de Leitura Teatral, uma colaboração com A Escola da Noite, já deu frutos em outras cidades e é para continuar. Neste âmbito a 3 de dezembro o Teatro Nacional D. Maria II replica o Laboratório de Escrita.

Épico de Gilgameš — Leitura dirigida por Francisco Luís Parreira abre o Clube de Leitura Teatral a 1 de outubro, às 18h30. O texto “uma rapsódia composta em acádio, a língua falada na Babilónia” conta “os feitos e os reveses de um lendário rei sumério, Gilgames”

O destacável do caderno da programação, uma novidade, resume a programação.

Uma Escola e uma Orquestra abriram programação Internacional

O Projeto École des Maîtres com a encenadora, Angélica Lidle, revisitou o TAGV de 16 a 19 de setembro. A École des Maîtres conta a partir de 2019 com o Teatro Nacional D. Maria II como um dos seus organizadores. A edição de 2019 decorre com o apoio da Bélgica, Itália, França e Portugal. Artistas europeus com idades entre os 24 e os 35 anos, partilham experiências com encenadores de renome internacional.

A edição deste ano foi orientada pela dramaturga, encenadora e atriz espanhola Angélica Liddell. As apresentações públicas seguem agora para Bruxelas e Caen, depois de terem iniciado em Udini e passado por Roma, Lisboa e Coimbra. A encenadora que é uma referência pegou num clássico da Filosofia de Michel Foucault e desenhou um espetáculo para maiores de 18 anos tendo como base um clássico da Filosofia, “História da Loucura na Idade Clássica” de Michel Foucault.

A programação do TAGV abriu com um concerto no Pavilhão de Portugal pela Orquestra de Macau.

Ao longo da semana o programa Culturama da Rádio Universidade de Coimbra deu conta dos destaques da programação. Na próxima segunda-feira, dia 23, pode ouvir a programação da semana na rubrica Foyer do Alvorada.

Isabel Simões

1
21
10
0
GMT
GMT
+0000
2019-10-21T21:10:31+00:00
Mon, 21 Oct 2019 21:10:31 +0000