6/09/19

Coro polaco no VII CIclo de requiem Coimbra

O Coro Sinfónico Inês de Castro, em conjunto com o Coro da Universidade de Rzeszów, na Polónia, e a Orquestra Inês de Castro, apresentam o VII Ciclo de Requiem Coimbra, dedicado à musica erudita.

Esta noite (6), pelas 21h30, os três grupos levam ao Convento São Francisco a Messa da Requiem, de Giuseppe Verdi, peça do século XIX.

Maria do Rosário Pinheiro, presidente da Associação Ecos do Passado, a entidade promotora do concerto, apresenta o Ciclo de Requiem de 2019, iniciado há sete anos e que anualmente dá a conhecer as principais obras da música erudita.

Maria do Rosário Pinheiro fala das características do Coro Sinfónico Inês de Castro, que tal como a Orquestra Inês de Castro, faz parte da Associação Ecos do Passado.

A obra Messa da Requiem foi escrita por Giuseppe Verdi em 1874, para simbolizar a morte do compositor Gianluca Rossini e do poeta Alessandro Manzoni, seus amigos. 

Também por isso a Ecos do Passado e o Coro Sinfónico querem fazer deste ciclo e desta obra de Verdi um tributo à amizade, numa homenagem à sua coralista soprano, Eva Pimenta, falecida no início de 2019.

Para Maria do Rosário Pinheiro, a grande novidade deste VII Ciclo de Requiem Coimbra foi a internacionalização, com a vinda de um conjunto polaco. Em abril, na Polónia, os grupos cantaram juntos a obra de Verdi. Agora em Portugal, repetem a Messa da Requiem em Coimbra e Leiria. A presidente da Ecos do Passado resumiu a experiência do intercâmbio.

Em palco vão estar 60 elementos do Coro Sinfónico, 25 do Coro da Universidade de Rzeszów, e ainda a Orquestra Inês de Castro, com cerca de 40 membros.

A entrevista de Teresa Borges a Maria do Rosário Pinheiro, presidente da Associação Ecos do Passado, pode ser escutada na íntegra em:

David Coelho

1
8
10
0
GMT
GMT
+0000
2019-09-16T08:10:47+00:00
Mon, 16 Sep 2019 08:10:47 +0000