3/06/19

Perseguição dos Jesuítas no período pombalino em palestra no Rómulo

O Rómulo – Centro Ciência Viva da Universidade de Coimbra é o palco de mais uma palestra ’10 anos, 10 figuras’, ciclo com o objetivo de assinalar o décimo aniversário do Rómulo. ‘Cultura como expulsão: a expulsão pombalina dos Jesuítas na história das expulsões portuguesas’. É este o título da apresentação de José Eduardo Franco, professor na Universidade Aberta e investigador do Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias (CLEPUL). José Eduardo Franco é especialista nas expulsões e perseguições que marcaram a história portuguesa, e abordou o conceito de cultura como causa de expulsão.

Para o docente da Universidade Aberta, a expulsão dos Jesuítas em meados do século XVIII permitiu implantar o movimento Iluminista em Portugal.

Muitas vezes pensa-se que a perseguição aos Jesuítas durante o governo pombalino foi uma forma de os expropriar das suas riquezas materiais. De acordo com José Eduardo Franco, esta foi apenas uma de várias razões.

Os religiosos da Companhia de Jesus, também conhecidos como Jesuítas, foram alvo de três expulsões em massa no nosso país. Além da saída imposta pelo Marquês de Pombal, houve expulsões nos períodos liberal e republicano. Também judeus e muçulmanos foram alvo de perseguições.

Nas ultimas semanas, o governo português anunciou a atribuição de cidadania aos descendentes dos judeus sefarditas, nome dos antigos judeus de Portugal e Espanha. José Eduardo Franco vê esta atitude como uma tentativa de compensar e corrigir erros da história.

A sessão ‘Cultura como expulsão: a expulsão pombalina dos Jesuítas na história das expulsões portuguesas’ está agendada para esta terça-feira (4), a partir das 18 horas. A entrada no Rómulo, localizado no piso 0 do Departamento de Física da Universidade de Coimbra, é gratuita.

David Coelho

4
12
53
0
GMT
GMT
+0000
2019-06-27T12:53:33+00:00
Thu, 27 Jun 2019 12:53:33 +0000