12/05/19

QF’19: Paulo Abrantes fala em falta de bom senso e erro da organização no caso das credenciais do SAC

O secretário-geral do Conselho Cultural (CC) e membro representativo das secções culturais no Conselho Geral da Queima das Fitas (CGQF), Paulo Abrantes, considerou que a redução do número de credenciais atribuídas à Secção de Astronomia, Astrofísica e Astronáutica da Associação Académica de Coimbra (SAC/AAC) para as Noites do Parque aconteceu por um imperativo de equilíbrio e razoabilidade. Adiantou ainda que o pedido inicial de cerca de dezasseis (16) acessos diários para os seus membros aconteceu devido a uma falta de bom senso por parte da secção. Apenas uma falha no seio da organização da Queima das Fitas permitiu que fossem atribuídas praticamente o dobro das entradas a esta secção em relação aos das outras três que desenvolvem o mesmo tipo de trabalho nas Noites do Parque.

Paulo Abrantes afirmou ainda que já participou numa audição convocada pelo Conselho Fiscal da Associação Académica de Coimbra e que espera que o assunto surja em discussão na Assembleia de Secções Culturais. A próxima está marcada já para amanhã, segunda-feira, dia 13 de maio.

Na passada quinta-feira a Secção de Astronima realizou uma ação simbólica e encerrou por uma noite o espaço da secção na Praça da Canção durante as Noites do Parque da Queima das Fitas. Outras três secções – Grupo Ecológico (GE), Secção de Defesa dos Direitos Humanas (SDDH) e S.O.S Estudante – juntaram-se ao protesto em solidariedade e, de igual modo, encerraram as atividades nessa noite.

Em entrevista concedida à Rádio Universidade de Coimbra no sábado à noite, dia 11 de maio, Paulo Abrantes reforçou as mesmas ideias-chave que tinha já explanado ao telefone dois dias antes. Começou por explicar a discriminação que é feita na atribuição de credenciais às secções culturais da Associação Académica de Coimbra e depois falou do caso do caso concreto do SAC.

Paulo Abrantes reconheceu que existiu uma falha por parte da organização devido ao timing com que tudo aconteceu, já depois de estar tudo autorizado e as noites do parque estarem a decorrer. Apesar do erro que admite ter existido no seio da organização, muito fruto da urgência com que os assuntos de protocolo são tratados nos últimos dias antes do início das noites do Parque, considerou que a decisão de reduzir foi a acertada.

A decisão de reduzir as credenciais à SAC partiu do CGQF e foi comunicada ao protocolo com efeitos a partir de quarta-feira. Paulo Abrantes referiu que a decisão foi tomada unanime e deu mais alguns detalhes sobre a lógica que aplicaram.

Perguntámos ao secretário-geral do Conselho Cultural e membro do CGQF se confirmava que a opção foi reduzir para 10 ou se existiu um primeiro momento em que foram propostas seis (6) como tinha afirmado o presidente do SAC. Paulo Abrantes respondeu afirmativamente.

Sobre as acusações de falta de cuidado e proximidade que o presidente do SAC, Henrique Neves, dirigiu ao secretário-geral do CC, Paulo Abrantes respondeu afirmando que a proximidade existiu e por isso mesmo é que foi tomada uma ação. Terminou dizendo que respeita o desagrado manifestado pelo SAC mas que o CGQF é soberano e é necessário acatar as decisões do órgão.

Gil Cancela da Secção de Defesa dos Direitos e Humanos e Ana Oliveira da S.O.S Estudante também foram contactados pela Rádio Universidade de Coimbra sobre o assunto. Sem adiantar muito sobre o tema, ambos confirmaram que os quatro espaços estiveram fechados na noite em questão, afirmaram que as suas ações individuais eram necessárias e garantiram que o assunto será discutido com a profundidade que merece em sede própria.

André Jerónimo

6
22
30
0
GMT
GMT
+0000
2019-08-24T22:30:22+00:00
Sat, 24 Aug 2019 22:30:22 +0000