10/05/19

QF’19: SAC, SDDH, GE e S.O.S Estudante tiveram os espaços na Praça da Canção encerrados para protesto

atualizado: 12/5/19 22:30 

As quatro secções culturais da Associação Académica de Coimbra (AAC) que se encontram junto à zona de imprensa das Noites do Parque da Queima das Fitas 2019 – Grupo Ecológico (GE), Secção de Astronomia, Astrofísica e Astronáutica (SAC), Secção de Defesa dos Direitos Humanas (SDDH) e S.O.S Estudante – tiveram as suas tendas encerradas durante a noite de ontem, dia 9, na Praça da Canção.

A ação começou com a opção tomada pela SAC de não abrir o espaço em protesto pela “falta de capacidade de comunicação e de transmissão de informação correta, em tempo útil” por parte da organização da Queima das Fitas (QF). Em causa, e assunto que terá sido a gota de água para a secção, esteve um processo de redução do número de credenciais de acesso à Praça da Canção. Das cerca de dezasseis (16) credenciais concedidas à secção para cada dia, passaram a usufruir de seis (6) após uma decisão do Concelho Geral da Queima Das Fitas (CGQF). Depois de um pedido de esclarecimento enviado ao CGQF pela SAC, foram atríbuidas dez (10) credenciais diárias. Tudo aconteceu já com o evento a decorrer e começou na noite de domingo, dia do cortejo.

A Rádio Universidade de Coimbra (RUC) falou esta tarde com o presidente da Secção de Astronomia, Astrofísica e Astronáutica, Henrique Neves, que descreveu os acontecimentos recentes que levaram à decisão de encerrar o espaço por uma noite e a ter a solidariedade de outras três secções.

A informação remetida para a secção de astronomia, segundo contou Henrique Neves, apareceu na forma de uma mensagem de correio electrónico enviada pela credenciação onde explicava que foi o Conselho Geral da Queima das Fitas a tomar a decisão. O Conselho Geral é um órgão permanente, constituído por cinco (5) elementos: o presidente da Direcção-Geral da AAC, ou seu representante; o Dux Veteranorum, ou seu representante; o tesoureiro da Direcção-Geral da Associação Académica da Coimbra ou seu representante; um representante, sócio de uma secção cultural, escolhido em plenário das secções culturais da AAC; e um representante, sócio de uma secção desportiva, escolhido em plenário das secções desportivas da AAC. Segundo Henrique Neves, a deliberação deveria ter vindo com um parecer, parecer esse que não receberam e que justificou o pedido de esclarecimento que enviaram ao órgão.

A Rádio Universidade de Coimbra falou igualmente com o secretário-geral do Conselho Cultural (CC) e membro representativo das secções culturais no Conselho Geral da Queima das Fitas (CGQF), Paulo Abrantes. Em conversa telefónica ocorrida na sexta-feira o secretário-geral afirmou que a decisão foi tomada pelo CGQF por unanimidade e considerou que o número de credenciais pedidas por noite pela secção de astronomia foi exagerado sobretudo quando comparado com as outras três secções que fazem no parque um trabalho semelhante. Afirmou ainda que o CGQF considerou a redução de credenciais para uma quantidade de dez (10) por noite como razoável. As outras três secções que protestaram em solidariedade com a astronomia tinham entre seis (6) a oito (8) credenciais para cada noite.

O presidente da SAC contou que outras três secções – Grupo Ecológico, SDDH e S.O.S Estudante – juntaram-se ao protesto em solidariedade com os acontecimentos recentes e também em defesa dos seus interesses. Gil Cancela da Secção de Defesa dos Direitos e Humanos e Ana Oliveira da S.O.S Estudante confirmaram que os quatro espaços estiveram fechados ontem na praça da canção. Ana Oliveira explicou desta forma.

Gil Cancela e Ana Oliveira garantiram à RUC que o assunto será discutido com a profundidade que merece em sede própria. Apesar dessa discussão posterior, Ana Oliveira afirmou que a solidariedade da S.O.S Estudante na noite de quinta para sexta-feira era uma necessidade.

O presidente da Secção de Astronomia, Astrofísica e Astronáutica da AAC afirmou ainda que não se sentiram representados pelo secretário geral do Conselho Cultural da Associação Académica de Coimbra, Paulo Abrantes. Na sua opinião, devia ter havido uma ação rápida, mais próxima e sobretudo que não perturbasse o funcionamento das atividades da astronomia a meio de um evento que tinha um planeamento aprovado.

Paulo Abrantes afirmou que houve demora na reação ao caso uma vez o número de credenciais não foi visto pela organização da Queima das Fitas em tempo útil. Disse que ficou a saber da situação depois do evento começar. O secretario geral do Conselho Cultural considerou ainda que deve existir uma diferença pelo que é feito no parque, entre as secções que fazem trabalho técnico de acompanhamento da noite e as outras que fazem trabalho de mostra e promoção.

Para a secção de astronomia o contexto ideal para fazer o protesto aconteceu com a conjugação da questão das credenciais e o dia do trigésimo aniversário da secção. Henrique Neves afirmou que as razões deste protesto vão muito além da questão do processo de redução das credenciais.

Os representantes das secções contactados pela RUC garantiram que o assunto será colocado em cima da mesa numa próxima Assembleia de Secções Culturais ou numa reunião de secções. Esta noite as quatro secções vão ter os espaços abertos na Praça da Canção, local das Noites do Parque da Queima das Fitas.

O secretário-geral do Conselho Cultural (CC) e membro representativo
das secções culturais no Conselho Geral da Queima das Fitas (CGQF),
Paulo Abrantes, concedeu uma entrevista à Rádio Universidade de Coimbra no sábado à noite, dia 11 de maio.

André Jerónimo

6
21
59
0
GMT
GMT
+0000
2019-08-24T21:59:51+00:00
Sat, 24 Aug 2019 21:59:51 +0000