5/05/19

QF’19: Sarau de Gala marcado pelo regresso da Secção de Ginástica da AAC

atualizado: 7/5/19 19:00
Secção de Ginástica da AAC no Sarau da QF2019

A maior novidade no programa do Sarau de Gala da Queima das Fitas de 2019 foi o regresso da Secção de Ginástica da Associação Académica de Coimbra (SG/AAC). Depois de anos de ausência, e com uma exibição a lembrar o musical Chicago, os ginastas de uma das classes de representação da Académica subiram ao palco do Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV) na noite de sexta-feira, dia 3 de maio, e arrancaram do público uma calorosa salva de palmas.

O representante da secção desportiva que falou com os apresentadores da noite, Joana Gomes e Pedro Andrade, afirmou que era uma grande honra para a SG/AAC estar de volta ao Sarau. Ao público presente no Teatro Académico apresentou as classes de formação, competição e exibição que compõem atualmente a Ginástica da Académica, a maior secção desportiva da AAC com mais de 500 atletas.


O Sarau de Gala da Queima das Fitas é um evento que pretende ser palco às apresentações de final de ano de Secções, Organismos Autónomos e grupos académicos. Perante uma plateia e balcão do TAGV que ficaram quase cheios já depois dos espetáculos começarem – e que começaram a esvaziar antes do fim – desfilaram 16 atuações durante cerca de cinco horas, e com apenas um intervalo.

Programa do Sarau de Gala da Queima das Fitas 2019.

O programa do Sarau foi dividido em três partes com a primeira a ser ocupada pelos Organismos Autónomos (OA) Orfeon Académico de Coimbra, Tuna Académica da Universidade de Coimbra (TAUC) e Coro Misto da Universidade de Coimbra. A segunda parte pertenceu aos grupos académicos As FANS, Quantunna, FAN-farra, Mondeguinas, e à regressada Secção de Ginástica. O terceiro bloco de atuações foi um exclusivo da Secção de Fado da Associação Académica de Coimbra (SF/AAC) com a presença da Orquestra Típica e Rancho, Grupo de Cordas, Grupo de Fados e Guitarradas, Estudantina Feminina de Coimbra, Estudantina Universitária de Coimbra e Orxestra Pitagórica.

A secção de ginástica nasceu em 1964 (55 anos) e tem como locais de treino principais as instalações dos pavilhões números 1 e 2 do Estádio Universitário de Coimbra (EUC) que ocupa todos os dias depois das 17h30. Os júris de avaliação da ginástica não marcam presença nas noites do Sarau. Apesar de ter sido possível ao olho leigo ver alguns desacertos na coordenação entre os atletas, a atuação recebeu muitas palmas do público. Um caloroso fim para este regresso das secções desportivas ao palco do Sarau de Gala da Queima das Fitas.

Momento da entrada da Secção de Ginástica da AAC no palco do TAGV.

Ainda no momento das palavras, anterior à demonstração, o ginasta da Académica também aproveitou para apresentar a classe de representação que se alinhava no palco do Sarau. Uma classe premiada a nível nacional e que vai este ano à Áustria participar na Gymnaestrada Mundial em representação da Académica e da Federação Portuguesa de Ginástica.


A XVI Gymnaestrada Mundial vai decorrer entre os dias sete (7) e treze (13) de julho em Dornbirn na Áustria. Este evento quadrienal não competitivo vai reunir cerca de 60 federações de ginástica de todo o mundo e é a segunda vez que se realiza naquela cidade austríaca. A primeira foi em 2007, depois de ter passado por Portugal na edição anterior em 2003. A edição portuguesa decorreu em Lisboa, reuniu 57 federações e um número total ginastas que é ainda hoje o mais alto: cerca de vinte e cinco mil.



Apresentadores e performers criticam COQF por falta de investimento que persiste no Sarau

Os destaques do Sarau de Gala deste ano passaram ainda pelas críticas à Comissão Organizadora da Queima das Fitas (COQF) pela falta de noção da importância do Sarau enquanto mostra cultural da academia.

“Bem-vindos ao verdadeiro ‘palco principal’ da Queima das Fitas naquela que é a grande mostra cultural da academia de Coimbra.”

Foi com esta frase de afirmação que o par de apresentadores do Sarau de Gala da Queima das Fitas 2019, Joana Gomes e Pedro Andrade – ambos membros da Secção de Fado – iniciaram as apresentações da noite de sexta-feira no TAGV. Esta frase encorpou também o primeiro de muitos momentos de crítica, numa noite onde a tónica foi de constante ataque à relevância do “festival” no parque da canção, como tantas vezes foi referido, em detrimento dos eventos tradicionais. Numa das intervenções que intermediaram as atuações, Joana Gomes resumiu o objetivo do Sarau e as críticas da noite.


Em verdade não foram só os apresentadores da noite a referir a negligência para com o evento e o desequilíbrio de prioridades que se vem a verificar na Queima das Fitas. À semelhança, de forma espontânea ou incentivada pelos apresentadores, os representantes de alguns dos grupos falaram e ironizaram sobre a passividade da COQF na organização do Sarau de Gala. Assim aconteceu, por exemplo, entre as atuações de TAUC e Coro Misto em que o apresentador Pedro Andrade e uma das coristas afirmaram essas convicções.


Apesar das várias referências que pontuaram as cinco horas de espetáculo esta parece ter sido uma edição menos problemática que a do ano de 2018. O grosso das críticas passou pelas falhas logísticas e de divulgação mas concentrou-se sobretudo nas falhas de memória histórica que permitem o evoluir da Queima das Fitas para um caminho desviado da tradição, da capa e batina e do trabalho que se produz nas estruturas da ‘casa’ ou a ela ligadas.

A Direção Geral da Associação Académica de Coimbra (DG/AAC) também foi visada com referências à “mais recente parceria da AAC” que acolheu uma empresa de trotinetas na cidade. Sobre os velocípedes motorizados afirmaram ainda não saber “o que é que a casa tem a ganhar com isto mas a presidência da DG lá saberá”.



Secção de Fado mostra-se em força e fala em lançar disco de originais

Os apresentadores, Joana Gomes e Pedro Andrade, em conversa com o presidente da Secção de Fado daAAC, Emanuel Nogueira, antes da atuação da Orquestra Típica e Rancho

Outro ponto saliente do Sarau acabou por ser a própria Secção de Fado à qual pertenciam os dois apresentadores e cerca de um terço do tempo performativo da noite. O presidente da Secção de Fado, Emanuel Nogueira, aproveitou o palco do Sarau para voltar a referir a glória do espetáculo nos anos 80.


Durante a intervenção partilhada entre Emanuel Nogueira e os apresentadores explicou-se a programação que a secção vai apresentar na segunda-feira nas noites do Parque – no tal ‘festival’ na praça da canção.


A Serenata Monumental, o magno evento que abre a semana de festejos da QF, tem como protagonista musical a Canção de Coimbra pela mão dos grupos de fado da SF/AAC. Em rescaldo da noite na Sé Velha o representante do Grupo de Fados e Guitarradas afirmou que a noite correu bem, com o silêncio devido a ser respeitado pelos presentes.

Fados e Guitarradas

A conversa com os apresentadores da noite não terminou sem o anuncio de que a secção vai começar a trabalhar numa compilação de originais. O lançamento do disco poderá acontecer já no próximo ano e permitir aceder ao Prémio Edmundo Bettencourt/Canção de Coimbra – uma distinção com prémio monetário atribuído de dois em dois anos pela Câmara Municipal de Coimbra como fomento à vivacidade da música de Coimbra.


Da SF/AAC também estiveram presentes a Orquestra Típica e Rancho, o Grupo de Cordas, a Estudantina Feminina de Coimbra e a Estudantina Universitária de Coimbra.


A noite acabou com o sarcasmo, inconveniência e habitual non-scence da Orxestra Pitagórica. O tema do assédio sexual fez a maior parte dos comentários do grupo que ainda exprimiu tristeza por não lhes ser permitido atuar com uma galinha no palco.

Orxestra Pitagórica: “Dei-te quase todo mas quase todo foi demais, dei-te quase todo e agora acaba nos tribunais”


Organismos Autónomos

Se a Pitagórica proporcionou um fim desarrumado e cavernícola, o início coube aos clássicos mais lustrosos da sala de espetáculo com o Orfeon Académico de Coimbra, Tuna Académica da Universidade de Coimbra e Coro Misto da Universidade de Coimbra. Começaram com uma atuação em conjunto à qual se seguiu as apresentações individuais de cada um.

Performance conjunta Orfeon + TAUC + Coro Misto

Entre os três Organismos Autónomos, a atuação mais animada aconteceu, talvez, por parte da Big Band Rags da TAUC. A formaçã já se tinha estreado na festa deste ano no VIII Encontro de Big Bands da Queima das Fitas, outro evento que consideram ser merecedor de maior apoio e visibilidade.



Grupos Académicos

Depois do único intervalo da noite, a segunda parte do evento acolheu as performances dos grupos académicos. A abrir estiveram As FANS – Tuna Feminina da Universidade de Coimbra que comemoram 30 anos de existência em 2019. Seguiu-se a Quantunna – Tuna Mista da Faculdade de Ciências e Tecnologia, vencedora da Récita das Faculdades de 2019, outro evento da Queima das Fitas.

Em cima: As FANS; Em baixo: Quantunna

Em troca de posição com o último grupo da segunda parte, as Mondeguinas – Tuna Feminina da Universidade de Coimbra alinharam-se no palco depois da Quantunna e exibiram as suas flores brancas na orelha, característica que conservam desde a criação do grupo em 1993. Para fechar a segunda parte atuou a FAN-Farra Académica de Coimbra. Tanto As FANS como a FAN-Farra surgiram no seio da Falange de Apoio Negro, um grupo de apoio aos clubes desportivos da Académica, e têm a itinerância na massa da sua composição.

Em cima: Mondeguinas; Em baixo: FAN-Farra

Boa parte dos momentos musicais do Sarau de Gala terminaram com mais pessoas em palco do que aquelas com que começaram. Vários grupos contaram com a participação de antigos membros que foram ao TAGV nessa noite para assistir às performances programadas mas acabaram por ser chamados a palco para se juntarem aos na celebração de fim de ano.



Alinhamento do Sarau de Gala da Queima das Fitas 2019

  • Orfeon+ TAUC+ Coro Misto
  • Orfeon Académico de Coimbra
  • Orquestra Académica da Universidade de Coimbra
  • Coro Misto da Universidade de Coimbra
  • Big Band Rags
  • As FANS – Tuna Feminina da Universidade de Coimbra
  • Quantunna – Tuna Mista da F. C. T. da Universidade de Coimbra
  • Secção de Ginástica da Associação Académica de Coimbra
  • Mondeguinas – Tuna Feminina da Universidade de Coimbra
  • FAN-Farra Académica de Coimbra
  • Secção de Fado da Associação Académica de Coimbra:
    • Orquestra Típica e Rancho
    • Grupo de Cordas
    • Grupo de Fados e Guitarradas
    • Estudantina Feminina de Coimbra
    • Estudantina Universitária de Coimbra
    • Orxestra Pitagórica


André Jerónimo e Rui Rodrigues

5
18
54
0
GMT
GMT
+0000
2019-05-24T18:54:35+00:00
Fri, 24 May 2019 18:54:35 +0000