22/01/19

AAC começa preparação dos 50 anos da Crise de 69

As comemorações dos 50 anos da Crise Académica de 1969 estão já a ser preparadas pela Associação Académica de Coimbra (AAC). Uma comitiva da Direção Geral da AAC, liderada pelo presidente Daniel Azenha, esteve ontém no Porto para uma reunião com o ex-presidente da associação, então em funções, Alberto Martins. A colabroar com a Académica na preparação das comemorações está, desde o primeiro momento, a Fundação INATEL, que também esteve presente na reunião e cuja delegação foi dirigida por Bruno Paixão, diretor da INATEL em Coimbra.

A ordem de trabalhos da reunião incluiu a discussão de um programa para as comemorações que pretende prolongar-se por alguns meses a partir do dia 17 de abril, o aniversário do momento em que não foi permitido aos estudantes o uso da palavra durante a inauguração do edifício das Matemáticas em 1969. Convites feitos, intenções declaradas e fotografias da praxe captadas, a reunião terminou e a comitiva estudantil regressou a Coimbra. O presidente da DG/AAC, compareceu nos estúdios da RUC para entrevista.

Além da óbvia importância do número 50, Azenha sublinhou que este aniversário deve servir para recordar à comunidade que “os estudantes já lutaram muito por este Ensino Superior e que há ainda muito a fazer”. “Se em 69 se lutou pela palavra, hoje luta-se por outras questões” e “nós não vamos esquecer as lutas que temos atualmente”. Considera que estamos perante uma oportunidade valiosa para recordar aos estudantes a sua força coletiva e tem fé que hoje é igualmente possível ter essa força e ser um agente de mudança. “Basta o estudante querer”, afirma o presidente.

Sobre a reunião e o convite endereçado ao ex-presidente, ex-deputado nacional e ex-ministro, Alberto Martins, Daniel Azenha descreve o que aconteceu.

A outra entidade que já a colaborar com a associação de estudantes, e que também participou na reunião de ontém, é a Fundação INATEL. De acordo com o diretor da INATEL Coimbra, Bruno Paixão, a fundação também “visa preservar a memória das sociedades” e está “orgulhosa com a parceria e toda a cooperação que tem mantido com a AAC”. Bruno Paixão ainda faz questão de deixar claro que “primazia das comemorações caberá aos estudantes”.

Apesar de esta ser a primeira parceria visível, fruto de um contacto feito pela própria fundação, Daniel Azenha afirma que a INATEL não é a única entidade com quem querem trabalhar e enumerou algumas. Revelou ainda que os contactos com a Câmara Municipal de Coimbra vão iniciar esta semana.

As ideias discutidas na reunião relativamente ao programa das comemorações, englobam, entre outras, recriações teatralizadas e exposições de fotografia e cartazes de intervenção instaladas em Coimbra e na Assembleia da República. O presidente da Direção Geral não detalha muito sobre as hipóteses de atividades que estão na mesa. Adianta apenas que essas atividades têm um público alvo que vai muito além da comunidade universitária.

Existem ideias, algumas são surpresas mas o objetivo de ontém foi atingido: a participação de Alberto Martins está assegurada. O ex-dirigente associativo aceitou o convite para novamente recordar junto da comunidade os acontecimentos que experienciou há cinco décadas.

André Jerónimo

4
19
19
0
GMT
GMT
+0000
2019-04-18T19:19:01+00:00
Thu, 18 Apr 2019 19:19:01 +0000