6/12/18

Henrique Jales Ribeiro: “O Nacionalismo é uma má forma de contar a história de cada nação”

A sala Vítor Matos da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC) acolheu esta tarde a apresentação do livro “Filosofias Nacionais, Transnacionais e Tradições Filosóficas no Século XXI” da autoria de Henrique Jales Ribeiro.

Autor do livro e docente na FLUC, Henrique Jales Ribeiro foi recebido numa sala cheia. Admiradores do pensamento filosófico do escritor, colegas e alunos assistiram à sessão de lançamento da obra editada pelas Edições Esgotadas. Na parte final o docente da FLUC explicou à RUC e à audiência o que pensa do Nacionalismo, considerando-o “uma má forma de contar a história de cada nação”.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Na opinião do autor, o problema está no fato de o Nacionalismo conduzir a extremos. Não se pode por um lado “festejar” o Nacionalismo e “impedir  os seus resultados desastrosos”. Deu o exemplo dos assassinatos políticos perpetrados por pessoas que atuam invocando ideologias nacionalistas.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

A iniciativa contou ainda com uma palestra sobre o tema proferida pelo autor. Henrique Jales Ribeiro considera que “as pessoas não estão interessadas em discutir a identidade”. Embora considere que não há alternativa ao Estado Nação como forma de organização coletiva, alerta para os problemas que se colocam na atualidade em países europeus como a Polónia ou a Hungria.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

A apresentação da obra ficou a cargo de Ana Leonor Pereira que realçou a forma como o autor trabalhou a filosofia como uma gramática aberta  “sem nunca abdicar da precisão dos conceitos”.

A sessão foi presidida pelo diretor do Departamento de Filosofia Comunicação e Informação, António Manuel Martins.

 

Isabel Simões

 

2
11
00
0
GMT
GMT
+0000
2018-12-11T11:00:13+00:00
Tue, 11 Dec 2018 11:00:13 +0000