2/03/18

Ordem dos Médicos contesta licenciatura em Medicina Tradicional Chinesa

No dia 9 de fevereiro foi publicada a portaria número 45/2018 que regula e autoriza a criação de ciclos de estudo, no caso, a licenciatura em Medicina Tradicional Chinesa.

O presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM), Carlos Cortes, em entrevista à RUC, alerta para as consequências negativas da aplicação da portaria.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Sobre a medicina tradicional chinesa, o representante da secção regional, afirma que não deve ser confundida com a medicina ocidental.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Carlos Cortes sublinha ainda a importância das universidades e politécnicos, os recetores da carta aberta, devido ao facto do Ministério do Ensino Superior ter assinado a portaria que permite a criação da licenciatura em medicina tradicional chinesa.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Questionado em relação à resposta das universidades e politécnicos, a quem a carta foi endereçada, o presidente da secção regional comenta que o envio do documento é muito recente. Espera, no entanto, que as instituições de ensino superior, não adotem as medidas previstas na portaria.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Apesar de tudo, Carlos Cortes sublinha que não tem nada contra a prática da medicina tradicional chinesa.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

A ordem dos médicos espera, como consta da carta aberta assinada por Carlos Cortes, prevenir esta decisão. Considera que a legislação pode gerar situações que põem em causa a saúde do público e agravam o tratamento e diagnóstico dos doentes.

Cátia Soares

6
4
34
0
GMT
GMT
+0000
2018-06-23T04:34:39+00:00
Sat, 23 Jun 2018 04:34:39 +0000