1/03/18

Magna aprovou regulamentos e marcou protesto em defesa do Ensino Superior

Decorreu ontem mais uma Assembleia Magna a pedido da Direção-Geral da Associação Académica de Coimbra (DG/AAC). A reunião foi marcada pelo facto de ter existido quórum, algo que já não acontecia desde abril de 2017. Na Assembleia Magna foi proposta a alteração da ordem de trabalhos, com a adição de um ponto para discutir os espaços desportivos utilizados pela Associação Académica de Coimbra, proposta aprovada por larga maioria. A importância da possibilidade de arrendamento do Pavilhão Jorge Anjinho pela AAC foi referida pelo presidente da DG/AAC, Alexandre Amado.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Em cima da mesa esteve também a análise da situação política no Ensino Superior em Portugal. Alexandre Amado refere que o sistema de funcionamento do ensino superior continua frágil e não existem respostas. De acordo com o presidente da DG/AAC os problemas de fundo continuam sem ser debatidos na Assembleia da República.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Pela DG/AAC, Alexandre Amado apresentou, e viu aprovada, uma moção que prevê um protesto em defesa do Ensino Superior e dos estudantes. A data escolhida foi 21 de março, na antecipação do Dia do Estudante, que se celebra a 24 de março (sábado). O presidente da DG/AAC fez questão de referir que vai levar ao próximo Encontro Nacional de Direções Associativas (ENDA), às restantes associações e federações académicas, a hipótese da manifestação ganhar contornos nacionais.

Durante a Assembleia Magna, várias vozes tentaram mostrar alguns dos problemas que podem afetar os estudantes e que podem ser levados a debate em outras reuniões de alunos. Alexandre Amado afirma que está na hora de todos se revoltarem.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

No ponto n.º 3 da ordem de trabalhos inicial, foram aprovados, por larga maioria e sem votos contra, os regulamentos que a DG/AAC apresentou na Magna e que estavam previstos estatutariamente. O regulamento geral de administração e gestão financeira da AAC tem como finalidade “a definição das normas a seguir em todas as operações financeiras ou com impacto financeiro realizadas pelos órgãos e estruturas da AAC”. O outro documento aprovado foi o regulamento de organização e funcionamento dos serviços de secretaria da AAC, que tem como objetivo “a centralização dos sistemas de informação, acesso e entrega de documentação, passagem de certidões e cópias certificadas, arquivo e respetiva consulta de documentos” pela secretaria da AAC. Com este documento, a DG/AAC garante um maior controlo e atualização da listagem dos associados efetivos e seccionistas. A estes fica a faltar a apresentação, e respetiva aprovação, do regulamento de gestão de espaços e do regulamento da Queima das Fitas. De acordo com Alexandre Amado, ainda não foram apresentados porque envolvem negociações com outras entidades, respetivamente a Universidade de Coimbra e o Conselho de Veteranos.

A questão das verbas da QF foi um dos temas fulcrais da Assembleia Magna. Por enquanto as contas da QF estão bloqueadas pelo Conselho Fiscal da AAC. Eric Jorge explicou a situação e afirmou que está ainda à espera do relatório de atividade e contas da última edição (2017) da QF. A distribuição das verbas para as secções da AAC tem um atraso de dois anos. A Secção de Fado da AAC bateu o pé e fez um ultimato: o vice-presidente Emanuel Nogueira, afirmou que se as verbas não forem distribuídas a tempo não vai haver Serenata Monumental nem Sarau de Gala. Apelou ainda a que todas as secções tenham a coragem de exigir a distribuição das verbas o quanto antes, se quiserem manter a tradição.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Durante o debate, o estudante da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Ricardo Almeida, propôs que haja um debate em relação ao programa curricular da faculdade, que seja debatida a situação das Cantinas Amarelas que continuam fechadas bem como a falta de funcionários na universidade, proposta reprovada pelos estudantes. De acordo com o presidente do núcleo de estudantes de física, João Albuquerque, não faz sentido falar de apenas uma faculdade.

Octávia Pinheiro

6
4
33
0
GMT
GMT
+0000
2018-06-23T04:33:22+00:00
Sat, 23 Jun 2018 04:33:22 +0000